O que vi da vida…

Olá, meus irmãos!
Que a paz de Jesus e o amor de Maria estejam com cada um de vocês.
Hoje é segunda-feira. E, se por um lado, ainda estamos saboreando as alegrias vividas no último final de semana, no Enc. nº 382 do Setor Rio, por outro, já começamos a pensar na celebração do dia dos pais, no próximo domingo. Assim, com certeza, o texto de hoje é o que todo pai gostaria de dizer a cada um de seus filhos.

Meu Filho.

Eu lhe dei a vida, mas não posso vivê-la por você.
Posso ensinar-lhe muitas coisas, mas não posso fazer com que aprenda.
Posso ensinar-lhe o caminho, mas não posso estar lá para indicar-lhe.
Posso dar-lhe liberdade, mas não posso ser responsável por ela.
Posso levá-lo à Igreja, mas não posso fazer com que creia em Deus.
Posso ensinar-lhe a distinguir entre certo e errado, mas não posso decidir por você.
Posso comprar-lhe roupas lindas, mas não posso fazer com que fique bem nelas.
Posso oferecer-lhe um conselho, mas não posso aceitá-lo por você.
Posso dar-lhe amor, mas não posso forçá-lo a amar.
Posso ensinar-lhe como ser bom, mas não posso forçá-lo a ser bom.
Posso avisá-lo sobre seus amigos, mas não posso escolhê-los por você.
Posso contar-lhe sobre fatos da vida, mas não posso construir a sua própria reputação.
Posso avisar-lhe sobre o mal que a bebida acarreta, mas não posso dizer não por você.
Posso avisá-lo sobre as drogas, mas não posso impedi-lo de usá-las.
Posso falar-lhe sobre metas a serem alcançadas, mas não posso alcançá-las por você.
Agora é sua vez de agir!

 

Com muito carinho, da irmã que muito os ama,

Marlene.